“Mulher sobre Rodas” – Eliana Malizia – Especial Bonito

dezembro 18, 2012, 10:20 am

compartilhe
compartilhe

Eliana Malizia é muito mais do que uma bela mulher, formada em fotojornalismo, graduada em educação física, com especialização em Los Angeles e com MBA em marketing,  ela percorre o país e o mundo sobre duas rodas, seus únicos parceiros são um bloco de notas, um laptop e uma máquina fotográfica, equipamentos essenciais, uma vez que a repórter descreve suas aventuras e viagens para os meios especializados. Engana-se quem pensa que ela traça suas rotas pensando no conforto e na tranquilidade, Eliana afirma que quanto maior  a aventura, maior é a adrenalina e mais inspiradora tornam-se os registros. “Já viajei por lugares inóspitos e paradisíacos. Cruzar o deserto do Saara, por exemplo, me desperta emoções até hoje”, relata.

Se o fato de ser uma das poucas mulheres a encarar esse tipo de aventura fosse pouco, imagine que ela ainda arruma tempo para dedicar-se ao boxe, corrida, ciclismo e aviação, isso mesmo, Eliana Malizia atesta que a sua brevê (carteira de aviação) está bem próxima.

A paixão pelas duas rodas despertou logo cedo, aos 18 anos, quando ainda era menina transitava pela cidade em cima de uma scooter, a partir daí a paixão foi crescendo e paralelamente suas máquinas também!

Pelas suas contas Eliana Malizia já percorreu aproximadamente 25.000 km em suas viagens desde 2008 e esse número não para de crescer.

 

Viajando de moto a Cidade de Bonito – beleza de encher os olhos d’ água

Acordando feliz!

Acordar 4 horas da manhã para rodar de moto da capital de São Paulo a Cidade de Bonito no Mato Grosso do Sul. Eu, minha amiga Monise e claro, as “motocas” , comigo a BMW F800GS e com ela a BMW F800R. Partimos felizes para essa aventura inesquecível. Bonito é um dos lugares mais cobiçados do Brasil e lá fomos nós em uma quinta-feira ensolarada. Top case que nada, amarramos nossas mochilas nas motocas com a famosa “aranha”, e prontas com o objetivo de rodar 1300 km em uma tocada só.

Na Rodovia Castelo Branco, pegamos a entrada com sentido a Cidade de Bauru. Na Estrada, depois de rodar um pouco mais que 400 km, aconteceu um imprevisto – pneu traseiro da moto da Monise, furado. Preparadas com o telefone da Rodovia na carteira, pedimos socorro. A moto foi guinchada até a borracharia mais próxima. Deu tudo certo, o pneu da moto foi consertado, mas perdemos 3 horas de viagem.

Cruzando os Estados SP/MS

Depois de cruzarmos os Estados, passamos pela cidade Três Lagoas, e alcançamos o total de mil quilômetros rodados e chegando a Cidade de Campo Grande, começou escurecer. A ideia era chegarmos a Bonito no mesmo dia, mas como perdemos 3 horas na estrada por conta do pneu furado, optamos em passear a noite em Campo Grande, pilotar horas por estradas que não conhecíamos e a noite, são seria boa ideia. Sem pressa resolvemos descansar e no dia seguinte acordamos cedo e pegamos estrada sentindo Cidade de Sidrolândia. Mais 300 km e chegaríamos na cidade de Bonito. Os últimos quilômetros foram ansiosos, apreciamos o nascer do sol e ficamos o tempo todo muito atenta com os animais na estrada - tamanduás, tatus e seriemas atravessavam a pista. Todo cuidado foi pouco, viajamos tranquilas curtindo a paisagem.

Chegamos, agora é sombra e água fresca

Direto para o Hotel, desfazer a mala, tomar um belo banho e nos prepararmos para o primeiro passeio. Optamos por um que pudéssemos relaxar. 14 km de estrada de terra em ótimas condições e chegamos à Praia da Figueira. Praia com areia branca, água doce e transparente. Almoçamos lá mesmo, uma comidinha caseira simples e deliciosa. Passeamos de barco, demos comida aos peixes. Passamos a tarde por lá, curtindo a praia e relaxando, merecíamos.

Projeto Jibóia

Essa foi a próxima visita, depois do descanso na praia eu e Monise nos arrumamos para conhecer o Projeto Jibóia. As 19h estávamos lá, bem pertinho do centro da cidade. Henrique Naufal, palestrante e fundador do projeto, com muito humor fala tudo sobre a espécie de cobras. O seu grande desafio é fazer as pessoas passarem a respeitar esses animais no meio ambiente, alertando por quem passa por lá, o que é verdade e o que é mito em relação às serpentes. Achei muito válida a visita, um trabalho muito bonito para evitar a matança indiscriminada das cobras. No final da palestra, pousamos para fotos com uma jibóia pendurada literalmente no pescoço. Saímos de lá e fomos direto jantar na “Casa do João”, restaurante mais bacana que tem na cidade. O jardim dentro do restaurante possui pés de frutas; manga, carambola, jabuticaba e goiabeira, De entrada pedimos uma porção de banana da terra a milanesa. O prato principal que optamos, o mais famoso do restaurante, a “Trairá Vestida” sem espinhas. Tudo estava delicioso, ambiente muito agradável e serviço ótimo! Fechamos a noite com chave de ouro!

Dia seguinte

Café da manhã delicioso bem cedinho no hotel, outro dia lindo de sol, montamos na motoca e partimos para o Parque das Cachoeiras. Mais 17 km de estrada de terra e lá estávamos nós. Com uma passarela suspensa de madeira, passamos por sete cachoeiras e  paramos para banhos. Em menos de duas horas, passamos por todas as cachoeiras. A hora da fome bateu e ficamos por ali, dentro do Parque tem um restaurante com comidinha caseira da região. O que me chamou atenção e achei delicioso foi a “sopa paraguaia” que na verdade é um bolo de milho salgado muito consumido no Mato Grosso do Sul, feito assado em forno de barro. Lá aproveitamos para provar a cachaça com Guavira (fruto típico da região) e também o Tereré, uma bebida gelada feita de erva verde seca , servido em uma Guampa, uma vasilha feita do chifre do boi, com canudo de metal (bomba). Os Bonitenses, duas vezes ao dia, por volta de 9h e 15h param tudo que estão fazendo para a tradição da “roda de tereré”, é a hora de descansar e curtir a erva bem gelada.

Hora de flutuar

Depois do passeio incrível pela manhã, voltamos sentido ao centro da cidade e de lá pegamos outra estrada de terra com 19 km com destino a Fazenda São Geraldo para mergulhar no rio Sucuri. A hora chegou, recebemos nossos equipamentos para a flutuação e partimos para uma trilhinha a pé, conhecemos a nascente do rio Sucuri e logo depois a aventura maior começou com a flutuação nas águas cristalinas com muitos peixes e uma exuberante vegetação aquática. O rio sucuri é considerado uma das três águas mais transparente do mundo.

Voltamos para cidade satisfeitas com os passeios do dia, paramos para um lanchinho no Vicio da Gula, pedimos a combinação de grande sucesso, o X-Jacaré, um sanduíche com carne de jacaré e o milkshake de guavira, a tal fruta típica do cerrado.

Voltamos para o hotel, descansamos algumas horas e a fome “pra variar” bateu novamente, jantamos no restaurante do hotel Zagaia para fechar a noite com chave de ouro.

Abismo Anhumas, um outro planeta

Domingo chegou e esse foi o dia que despertei com um enorme frio na barriga, pois a aventura do dia seria pra lá de diferente e inusitado.

Abismo Anhumas foi o passeio da vez. Pegamos carona de caminhãzinho com o Adriano Lindolfo, administrador do hotel . Assim poupamos as motocas por um tempo.

Para entrar no abismo é preciso descer de rapel, são 72 metros de descida totalmente vertical, até o deck flutuante sobre o lago do tamanho um campo de futebol. O lago atinge 80 metros de profundidade. A descida foi incrível, a paisagem aumentava cada vez que eu descia um pouco mais. Ao chegar ao deck a visão é inexplicável. Dentro do lago, formações de cones calcários de até 19 metros de altura. Claro, fiz questão de flutuar no lago e poder ver com máscara de mergulho todos detalhes em suas profundezas. Depois da flutuação a aventura continuou num bote, onde todas as informações das formações do abismo foram detalhadas pelo monitor. Depois de toda essa aventura, chegou a hora que me exigiu muita força e concentração – subir de rapel os 72 metros do abismo de volta, confesso que não foi nada fácil. Para realizar essa aventura, um dia antes é feito um treinamento/teste para avaliar se está apto a tal atividade. Passei no “ teste” mas sofri um pouco, consegui subir e sair do abismo, bem cansada e contente, nunca havia presenciado uma natureza de beleza tão grande e diferente, inexplicável!

Pequeninas dentro da Gruta do lago Azul

Depois do abismo, ainda me restou alguma energia, a qual não desperdicei, parti  para a próxima aventura e dessa vez minha amiga voltou a me acompanhar e lá fomos nós, menos de um quilometro e já estávamos no inicio da trilha que nos levou a gruta. Descoberta por um índio terena em 1924, possui em seu interior um lago azul com dimensões que considera uma das maiores cavidades inundadas do planeta.

Descemos caminhando apenas uns 100 m, e chegamos bem próximo ao lago azul, sua profundidade chega a 90 metros. Sentimo-nos pequeninas dentro da gruta, é de beleza gigante.

Voltamos para a cidade, almoçamos calmamente no restaurante Cantinho do Peixe, pedimos uma truta com molho de urucum de dar água na boca. De sobremesa a pedida foi o sorvete com fruta da região (delicias do cerrado). Optei pelo sabor de fruta “araticum”, com sabor bem exótico.

Chegou fim de tarde, passeamos pelo centrinho da cidade, olhando artesanatos, reparando na decoração da cidade, os telefones públicos em formatos de bichos; tucanos, tigres, pássaros. Um chafariz no meio da praça central, com dois peixes gigantes. O serviço de moto táxi também corre solto por lá. Observamos cada detalhe com um olhar de despedida, a hora da volta para São Paulo estava começando a se aproximar. Dormimos cedo, o dia seguinte, uma segunda-feira acordamos 4h da manhã para uma volta tranqüila. E assim foi, a volta foi um sucesso, mais 1300 km em uma tocada só. As paradas apenas para abastecer as motos e para pagar os dez maçantes pedágios. Chegamos em Sampa com a máquina fotográfica  recheada de lindas fotos e na memória a lembrança de uma viagem incrível e  inesquecível.

Onde Ficar:

Zagaia Eco Resort (aos que buscam muito conforto)

Endereço: Rod. Bonito-Três Morros, km. 0. (67) 3255-5500 : fax: (67) 3255 – 1710

www.zagaia.com.br

Hotel Praia Parque (Perto da cidade e preço modesto)

R: Antônio Alle, 77  Jd. Andrea , (67) 3255-1780 / (67) 3255-1421

www.hotelpraiaparque.com.br

Onde comer:

Cantinho do Peixe

Rua Coronel Pilád Rebuá, 1437 (67) 3255-3381

www.cantinhodopeixe.com

Casa do João

Rua Coronel Nelson Felício dos Santos, 664 (0xx)67 3255-1212

www.casadojoao.com.br

Taboa Bar

Local mais badalado da cidade, ótimo pra comprar a cachaça da região

Rua Cel. Pilad Rebuá, 1837 (67) 3255 3598

www.taboa.com.br

Lanchonete e Doceria Vicio da Gula

Rua Cel. Pilad Rebuá, 1895. Telefone: (67) 3255-2041

Agencia de turismo :

Empreendimentos Turísticos Praia Parque

C/ Adriano Lindolfo / 67-3255 3232 67- 8478 2794

Email: marketing@praiadafigueira.com.br

• Lembrando que se não quiser colocar sua moto na terra para chegar realizar os passeios, a agência disponibiliza carro com motorista.

Conheça mais as atrações que visitamos nos sites:

www.parquecachoeiras.com.br

www.praiadafigueira.com.br

www.riosucuri.com.br

www.abismoanhumas.com.br
Telefone : (67)3255 3313 C/ Marcio

Como chegar:

Partindo de São Paulo, optamos pelo caminho via Rodovia Castelo Branco seguindo em direção ao trevo de Botucatu até a rodovia Marechal Rondon sentido Três Lagoas. De Três Lagoas para Campo Grande, depois Sidrolândia, Guia Lopes da Laguna e Bonito.

Total rodado nesse passeio ida e volta ( incluindo as estradas de terras para chegar aos passeios em Bonito): 2850 km

 

Comentários

Deixe um comentário